:: Sopro ::

“Vocês nem sabem o que lhes acontecerá amanhã! Que é a sua vida? Vocês são como a neblina que aparece por um pouco de tempo e depois se dissipa.”
Tiago 4.14

“Senhor, que é o homem para que te importes com ele, ou o filho do homem para que por ele te interesses? O homem é como um sopro; seus dias são como uma sombra passageira.”
Salmos 144.3-4

Frágil. Todo ser humano deveria vir com um adesivo colado em seu corpo contendo aquele tão antigo e conhecido alerta descrito nas caixas de papelão: "CUIDADO! FRÁGIL. MANTER LONGE DO FRIO E CALOR. SUJEITO A QUEBRAS E RANHADURAS".

Somos sujeitos às intempéries da vida. Suscetíveis à solidão, à depressão e ao sofrimento. Fracos e sedentos diante do intenso e desconfortável calor do deserto. Sensíveis a palavras, ofensas e atritos. Vulneráveis a tudo e a todos. Tudo na criação pode nos atingir. Todas as criaturas possuem o poder de nos diminuir.  

FRÁGIL. Essa é a nossa realidade. Não importa o cargo profissional que você ocupe, a posição social que você ostente ou quão inatingível você se sinta por qualquer outro tipo de orgulho alimentado em seu interior: você continua sendo um vapor que aparece por um breve instante e logo se desvanece (Tiago 4.14).

Tipos de orgulho são tipos abertos, sutis, altamente flexíveis e facilmente moldáveis a qualquer situação. Seja você rico ou pobre, sinta-se você bonito ou feio, julgue-se você religioso ou não, o orgulho é uma espécie maquiavélica de célula-tronco que nunca para de agir e se reproduzir em nós: a todo instante, é capaz de se transformar e de se replicar em qualquer “tecido” do nosso ser, ocultando dos nossos sentidos o clamor da intrínseca e gritante fragilidade que habita em nós.

É verdade. O orgulho possui esse estranho poder de esconder nossa frágil natureza de nós mesmos; de obscurecer nossa real dependência de um único Alguém que possa suprir plenamente as carências que sentimos. O orgulho mente descaradamente para nós. Como um anjo de luz, nos faz acreditar que somos tudo e, porque acreditamos que somos tudo, acreditamos que podemos tudo... quando, na verdade, não passamos de uma sombra, de um sopro (Salmos 144.3-4).

Reconhecer a impossibilidade de se bastar a si mesmo já é um grande passo, pois romper com o orgulho é sempre passo difícil de ser dado. É, no mínimo, ser sincero consigo mesmo. É assumir que um sopro, por mais ensimesmado que seja, jamais pode se ver como furacão, pois sopros não possuem existência própria. São sempre provenientes de um outro Alguém. Reconhecer-se como sopro, portanto, é começar a encontrar a própria origem; é descobrir de onde partimos e a quem pertencemos.

O sopro que eu sou não foi proveniente de mim mesmo ou do acaso. Deus me formou do pó da terra, e soprou em minhas narinas o sopro da vida. Foi através do fôlego de Deus que eu e você nos tornamos almas viventes (Gênesis 2.7). Só temos vida porque Deus, em amor, decidiu soprar o Seu próprio fôlego de vida em nós. Somos sopro de Deus, dEle viemos e a Ele pertencemos.

Porém, o sopro assoprado para ser eterno se ensimesmou, abandonou sua origem dependente e quis se tornar furacão. Cegado pelo orgulho, se esqueceu de que furacões não existem sem ventos, e ventos não existem sem sopro, e sopro não existe sem um pulmão que respire vida e comunique o seu próprio fôlego ao que não tem fôlego de per se. O sopro gritou “independência ou morte”, perdeu o fôlego e morreu.

O sopro que era eterno, pleno e saudável – pois ligado à videira – tornou-se fugaz, vazio e doente. Tudo porque a real percepção de si mesmo foi obscurecida pelo orgulho, e pelo orgulho nasceu o pecado, e do pecado veio a separação entre sopro e pulmão, e da desunião entre sopro e pulmão, a morte.

Mas Deus voltou a soprar. O fôlego de vida fez-se sopro para a morte derrotar. Soprou-se a si mesmo, suportou a morte em meu lugar.

E, agora, felizes, os sopros podem, livres, ao pulmão retornar. Pois Jesus fez-se sopro incorruptível, para que os sopros corruptíveis regressassem ao verdadeiro lar. O pulmão é Deus, e sem ele não se pode respirar.

Pare de utilizar aparelhos artificiais de respiração. Respire Jesus, pois só o sopro dEle pode te dar a salvação.



Por Fernando Khoury
Marcadores: | edit post
Reações: 
4 Responses
  1. Amanda Says:

    Que texto belíssimo. Uma poesia em forma de texto.

    Carecemos de escritores cristãos sensíveis.


  2. Gosto de textos assim que misturam uma escrita comum com poesia. Parabéns! Deus o abençoe! Fui edificado!


  3. CONVITE
    Passei por aqui lendo, e, em visita ao seu blog.
    Eu também tenho um, só que muito simples.
    Estou lhe convidando a visitar-me, e, se possível seguirmos juntos por eles, e, com eles. Sempre gostei de escrever, expor as minhas idéias e compartilhar com as pessoas, independente da classe Social, do Credo Religioso, da Opção Sexual, ou, da Etnia.
    Para mim, o que vai interessar é o nosso intercâmbio de idéias, e, de pensamentos.
    Estou lá, no meu Espaço Simplório, esperando por você.
    E, eu, já estou Seguindo o seu blog.
    Força, Paz, Amizade e Alegria
    Para você, um abraço do Brasil.
    www.josemariacosta.com


  4. Estou alegre por encontrar blogs como o seu, ao ler algumas coisas,
    reparei que tem aqui um bom blog, feito com carinho,
    Posso dizer que gostei do que li e desde já quero dar-lhe os parabéns,
    decerto que virei aqui mais vezes.
    Sou António Batalha.
    Que lhe deseja muitas felicidade e saúde em toda a sua casa.
    PS.Se desejar visite O Peregrino E Servo, e se o desejar
    siga, mas só se gostar, eu vou retribuir seguindo também o seu.


  • Ocorreu um erro neste gadget

    :: NEWSLETTER ::

    Cadastre seu email e fique atualizado sobre novas postagens:

    É grátis!

    :: SEGUIDORES ::

    :: ÚLTIMAS ::

    FAÇA SUA PARTE!

    diHITT