:: Portas ::



“Eu sou a porta; quem entra por mim será salvo. Entrará e sairá, e encontrará pastagem.”
Jesus- Evangelho de João 10.9


No corredor da vida, invariavelmente nos deparamos com os mais diferentes tipos de portas. Algumas já abertas, outras totalmente fechadas, umas apenas encostadas ou entreabertas.

Costumo pedir a Deus por todas elas.

Para as portas que já estão abertas, peço a Deus que as feche, se não são essas as portas pelas quais Ele quer que eu entre... e, principalmente, que Ele feche meus olhos e mude o meu coração, para que não me sinta atraído pelo aparente brilho de uma luz que, pelo simples fato de não ser da vontade de Deus, em mim seria escuridão.

Para as portas que estão fechadas, peço que Deus me dê coragem de abri-las, se for da vontade dEle que por elas eu passe... e, principalmente, que Ele me dê confiança além das circunstâncias para desejar, mesmo sem saber ao certo, o que me aguarda do outro lado da porta. Fé para desejar o que Deus deseja. Mais amor para só sonhar o que Deus sonha. Contentamento para esperar em minha vida apenas o que procede da mente de Deus.

Para as portas que estão encostadas ou entreabertas, peço a Deus discernimento e clareza de sua vontade, para que não seja sutilmente levado pela onda da dúvida e naufragado pela correnteza da confusão.

Porque desejar para si o que de Deus não procede é dizer amar a Deus, mas ter o diabo como amante; é dizer-se obediente, mas ter prazer em flertar com a tentação; é dar um passo à frente estando à beira do abismo; é trocar deliberadamente a vida pela morte.

Obrigado, Jesus, por todas as portas que o Senhor fechou, abriu e esclareceu em minha vida. Obrigado, Jesus, porque o Senhor é a única porta que está sempre aberta para a salvação de todos aqueles que passam por ti. E quem por ti verdadeiramente passa nunca mais consegue ser o mesmo; nunca mais consegue voltar atrás.


por Fernando Khoury

:: Talvez seja hora de mudar ::


Às vezes me sinto batendo seguidamente a cabeça na parede...nadando contra a correnteza. Não por teimosia, tampouco por falta de capacidade. Talvez por falta de clareza mesclada com gotas de medo. É como se existisse um hiato inseparável e intransponível, além das minhas forças, que impede o meu esforço de alcançar o objetivo ao qual se propõe. Talvez eu ainda me sinta assim por estar descobrindo, aos poucos, o que Deus verdadeiramente quer de mim.

Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo pra todo propósito debaixo do céu (Eclesiastes 3). Talvez esse seja o tempo de descobrir. Se a parede não muda de lugar, talvez seja hora de eu mudar de posição. Se a correnteza não muda de direção, talvez seja hora de eu mudar o sentido dos meus passos. Talvez essa seja a hora de começar a mudar os planos; de parar de remar contra a maré; de seguir a direção do vento, olhar pra cima e enxergar no céu o lindo desenho que Deus está querendo formar com as nuvens - pois uma certeza tenho: Ele está no controle da minha vida e a minha maior vontade é fazer a vontade daquele que me criou!

Por Fernando Khoury
:: Sobre (in)Feliciano, a mídia e os missionários brasileiros no Senegal ::



Um homem e uma mulher, ambos brasileiros e cristãos, estavam presos no Senegal há 5 meses em condições humilhantes. A acusação? Uma inventada formação de quadrilha somada a um falacioso tráfico de menores. Na prática? Ajuda a crianças carentes e ensino da Palavra de Deus. Na realidade, perseguição religiosa institucionalizada, deflagrada por um pai que viu seu filho se converter do Islã ao Cristianismo.

Você viu a mídia se engajar na luta pela libertação desses dois missionários? Eu não. O que vi - e continuo vendo - são manchetes e mais manchetes sobre o (in)Feliciano, o beijo gay e a Daniela Mercury assumindo que “Malu agora é minha esposa”. O que li - e continuo lendo - são notícias e mais notícias sobre torcedores do Corinthians presos na Bolívia há 2 meses pelo disparo de um rojão no estádio que acabou tirando a vida de um jovem inocente. Não me impressiona mais a mídia explorar em excesso temas sensacionalistas e ofuscar temas legítimos e de suma importância de verdadeiros cristãos.

Você viu o governo brasileiro defender e intervir efetivamente em âmbito internacional em prol desses dois missionários brasileiros? Eu não. Na verdade, o que vi foi o governo se empenhando muito mais efetivamente pela libertação dos torcedores corintianos. Não me impressiona muito a falta de interesse do governo brasileiro em proteger seus nacionais das mãos de violadores de direitos humanos - principalmente quando esses nacionais são cristãos.

Não fosse a união e o empenho internacional do corpo de Cristo - inclusive da ONG Rio de Paz -, esses dois irmãos ainda estariam confinados lá naquele martírio legalizado.

Hoje, cinco meses depois e pela graça de Deus, José Dilson e Zeneide foram libertos temporariamente por um habeas corpus, até o julgamento final em 30 dias.

Continue orando e atento à verdadeira realidade; não à realidade publicada. Porque daqui a 30 dias, o (in)Feliciano continuará sendo notícia nos jornais e com certeza ainda haverá outros beijos gays para entreter o circo. Afinal, o palhaço jornalístico brasileiro clama sempre carente por atenção e aplausos. Não existem muitas notícias mais importantes do que essas para serem divulgadas. A verdadeira realidade dos verdadeiros cristãos não vende jornal. 



Por Fernando Khoury


*Se quiser saber mais: http://portugues.christianpost.com/news/missionarios-brasileiros-presos-no-senegal-conseguem-a-liberdade-provisoria-15636/
  • Ocorreu um erro neste gadget

    :: NEWSLETTER ::

    Cadastre seu email e fique atualizado sobre novas postagens:

    É grátis!

    :: SEGUIDORES ::

    :: ÚLTIMAS ::

    FAÇA SUA PARTE!

    diHITT